sexta-feira, 11 de setembro de 2009

PERSEGUIÇÃO NO BRASIL???

Há cerca de 20 anos atrás ouvi falar pela primeira vez do Irmão André e seu ministério junto ás Igrejas em países onde ela era perseguida. Desde então, também ouvi várias profecias que apontavam para um tempo em que o Brasil também viveria uma perseguição no mesmo estilo, sendo que a mesma traria momentos de edificação e pureza para o corpo de Cristo, tendo em vista que, os que se associavam com as instituições religiosas com intenções impuras, não suportariam o sofrimento.

No atual momento da Igreja brasileira, fortemente influenciada pelos ministérios midiáticos, que investem milhões para divulgar seus endereços e supostos milagres, podemos perceber que lhes falta a pureza e o conteúdo de amor e verdadeira compaixão próprios do evangelho original.

A extravagância financeira e o enriquecimento incompatível com o cargo-ministério que ocupam os pastores-bispos-apóstolos celebridades destes programas, já começam a incomodar as autoridades do país. Muitos membros destas comunidades, exortados à cegueira e a conformidade, sob pena de estarem ofendendo a Deus, já começam a perceber que as promessas mirabolantes não estão se cumprindo, muitas enfermidades perseveram nos corpos sofridos, muitos casamentos não aconteceram nos prazos determinados, a prosperidade financeira insiste em não irromper no meio das dificuldades dos mortais comuns para beneficiá-los, etc. Com o passar do tempo vão percebendo que os vários sacrifícios realizados para mostrar a sua coragem e fé não estão sendo recompensados e, pelo contrário, as dificuldades parecem aumentar, à medida que abandonam seus próprios interesses, negócios, estudos, vocações, casas etc. O sucesso que desejavam só alcança a liderança, que pede cada vez mais envolvimento com despojamento dos bens materiais. Os demõnios, tidos como razão de todos os males, já foram devidamente "descarregados" e os sofrimentos não atenuam, continuam "encostados".

Quando o próprio governo, tomar algumas medidas duras contra as instituições que cinicamente se aproveitam da credulidade de um povo místico e carente de assistência de todo tipo, em especial na área fiscal para tentar penalizar os excessos destes vendilhões pós-modernos dos templos, pode então, atingir em cheio os justos, os pequenos, os pastores humildes e já sofridos, que hoje penam para fechar suas contas. Existem ainda esses pastores, anônimos, que muitas vezes com uma dupla jornada de trabalho, sustentam com dificuldade suas casas e dedicam parte de seu tempo para pastorear alguma comunidade humilde e pequena.

É interessante observar que os membros das comunidades da prosperidade, já impregnados pelo paradigma da barganha, não conseguem mais ofertar por ofertar, por amor simples e altruísta, dispostos até ao auto-despojo para enriquecer a outros com a esperança do evangelho da paz. O momento de ofertório não pode ser confundido com momento de aplicação financeira para receber de volta, imediatamente em seguida, os valores “investidos”, acrescidos de juros generosos.

Pelo “andar da carruagem”, devido à voracidade dos pastores gananciosos que povoam nossas telas de televisão, associados às ovelhas que tem prazer na tosquia, e no engano das mágicas e das idolatrias de uma Igreja medieval ressuscitada, podemos conhecer no Brasil, também, uma perseguição implacável. Esta o Irmão André não vai poder atenuar. A perseguição por causa das fraudes, falsos milagres, feitiçaria, adivinhação, falsidade, evasão de divisas, contrabando, homicídio, violência, empresas-fantasmas e seus laranjas, assim como todas as outras obras que estão vindo à tona no meio do povo de Deus, todos eles girando ao redor do interesse financeiro, para enriquecimento sobre o custo da miséria, poderá ser instrumento de cura providenciado pelo Senhor para salvar o seu Nome. Neste momento, quando se sentirem prejudicados pelas obras destes lobos insaciáveis, os que hoje dizem que não tem nada a ver com isso, e estão calados, fingindo não saber o que está acontecendo, lamentarão não ter agido de forma profética, silenciando quando deveriam ter clamado como os santos do passado: “Assim diz o Senhor: ”buscai-me e vivei” e “Quem primeiro deu a Ele e depois recebeu?”

O lamento de Oséias é mais atual do que nunca: "O meu povo perece por falta de conhecimento".

Estejamos mesmo assim preparados e confiantes, a perseguição injusta é fonte de livramentos e bençãos da parte de Deus; para os inocentes apenas. Para os demais, é chance de arrependimento e conversão de vida.

Luciano Oliveira

Um comentário:

Tania Rocha disse...

Ai que bom ler tudo isso!! vc falou o que todos sabemos, mas, por vergonha, não queremos encarar e expressar com todas as letras como vc fez. Bendito Blog! sua fãzoca de sempre!